Em tempos de “baixo custo”, muitas vezes não tão baixos assim, percebemos que nestas já famosas, bem sucedidas e numerosas academias, os locais onde estão localizadas geralmente são nobres e caros, os equipamentos na sua maioria são importados e de ótima qualidade, existe sempre uma excelente arquitetura, um design moderno, luzes, sons, algumas tem até cheiros especiais, equipamentos diferenciados, “robôs”, hardwares, softwares de última geração, etc.

Certamente, a economia para o baixo custo, cobrando preços muito mais baratos, acaba ficando evidente que deve estar em outras variáveis. Não é difícil identificar. Talvez para alguns clientes, alunos já confirmados, aderidos à atividade física, experientes em treinamentos, que frequentaram outras diversas academias ao longo da vida, não faça a menor diferença ter ou não ter um bom atendimento mais próximo. Alguns até preferem não ter acompanhamento nenhum para poderem “malhar em paz”. Mas será que esta é a maioria? Essa alta rotatividade de clientes que entram e saem de uma para outra academia realmente é benéfica para quem? Talvez para os grupos empresariais das franquias com foco na lucratividade (e nada de mal nisso)? Mas até quando?  Será que essa bolha não explode? E para quem pensa realmente na saúde da população, no real sentido da Educação Física, no Wellness, no bem-estar e no melhor atendimento possível para os clientes? Será isso um “romantismo” ultrapassado? Será que o ser humano mudou tanto em sua maioria que não sente mais dor, nem amor, não gosta de ter atenção, de ser bem tratado?

Muitas academias ainda não se preocupam com algumas ações fundamentais realmente “low cost”, de extrema eficácia e que poderão ser diferenciais nessa competição feroz do mercado atual de academias. Para os que querem conquistar mais de 96% de possíveis novos clientes da população brasileira que ainda estão fora das academias, inativos, todos nesse mercado, até mesmo os grandes empresários focados na lucratividade, deveriam pensar melhor.

As “low costs” não vão parar de surgir por um bom tempo ainda, abrirão mais e mais unidades por todos os lugares, diversas marcas e nichos diferentes. Mas para quem não estiver preparado, antecipado, sem ter um grande suporte financeiro, nem podendo ter uma franquia poderosa em sociedade com um grupo de empresários experientes até internacionalmente, então… É bom, no mínimo, ter um A.M.I.G.O na sua academia!

É bom ter um amigo na academia

A.M.I.G.O é uma sigla criada pela empresa KEEP GOING – Consultoria e Treinamentos em Fitness – que significa: Abordagem Máxima Interativa por Gentis Orientadores. É um programa bem completo de treinamento, mas com processos simples na execução depois da “engrenagem” pronta e sistematizada. De preferência, deve ser uma função para os estagiários, onde eles serão um verdadeiro manual vivo da academia para os clientes novos aprenderem, se adaptarem melhor e saberem como usar a academia em toda a sua potencialidade de serviços oferecidos. O A.M.I.G.O será reconhecido com uma camisa/uniforme, de cor diferenciada, com a sigla atrás, dando uma abordagem mais aprimorada nos primeiros dias e semanas do cliente na academia, apresentando todos os setores, as modalidades oferecidas, tendo o cuidado em ter uma abordagem apropriada levando em consideração os aspectos técnicos, físicos, as experiências anteriores, funcionais, sociais e até comportamentais de acordo com os perfis de cada cliente identificados através de avaliações iniciais somadas a testes simples, rápidos e específicos.

Como você contrata seus estagiários?

Em algum momento da história do fitness em academias “inventaram” que estagiários só devem estagiar na musculação. Por quê? Quem disse? Será que eles gostam? Eles realmente aprendem? Alguém ensina, treina e retreina? Estagiários deveriam ser escolhidos por um processo seletivo apurado, por alguém capaz de identificar talentos, com potenciais, até com uma tendência maior para polivalência, capazes de ter bons relacionamentos, atitudes positivas, gentileza e que possam exercer funções que realmente façam a diferença para a academia e para o futuro profissional deles.

É muito positivo a academia ter um time de estagiários por turnos, coordenados por um profissional, onde eles tenham um cronograma, façam um rodízio por setores e principalmente recebam clientes novos e os coloquem numa lista, cada um tendo uma carteira sob sua responsabilidade para receber e atender pelo menos nos três primeiros meses de cada novo cliente na academia. Esse tempo é suficiente para o cliente se ambientar, fazer suas próprias amizades, ter aderência aos exercícios e pouco a pouco ter sua “independência” do A.M.I.G.O.. Alguns clientes conseguem tudo isso com menos tempo. O foco é dar uma abordagem com atenção máxima e interativa aos clientes novos, com gentileza, amizade e orientações preciosas, de acordo com as necessidades e demandas de cada um. Sem incomodar, nem ser “babá” do cliente. Atendendo e cuidando não como um personal trainer / professor, mas como um “personal friend” – um A.M.I.G.O., sendo um elo forte de pós-venda, motivação inicial e adaptação ao ambiente da academia.

O atendimento ideal

O A.M.I.G.O poderá recepcionar o cliente da sua carteira a cada dia na sua chegada, em alguns momentos durante sua permanência na academia e estando à disposição na saída. Inicialmente sendo um guia, um companheiro, um orientador, podendo apresentar melhor cada um dos professores do turno, cada setor e modalidades diferentes, sugerir aulas novas quando perceber uma queda na motivação, fazer junto um pouco das aulas coletivas que o cliente nunca fez “dando uma força”, ajudar no momento de “pagar mico” que acontece com alguns, incentivando e motivando para ele não desistir das aulas coreografadas. Poder tirar todas as dúvidas, dar orientações pós treinos, passar dicas básicas iniciais como a importância da hidratação, da garrafinha, de uma toalha pequena para os que suam muito, suporte gel para aulas de bike indoor, etc. Reforçar a importância do aquecimento, da volta à calma, alongamentos, da alimentação adequada, do descanso, assim como da frequência e assiduidade.

Quando o cliente faltar ou vier em outro turno ele saberá através dos controles. Numa próxima falta já fará um contato para saber o que houve, incentivar para um breve retorno, dizer que ele está fazendo falta e que está esperando seu retorno. Qual recepcionista tem tempo para fazer isso? Qual coordenador? Qual professor? Quando o fazem, nem sempre o fazem por conta própria, numa tremenda boa vontade e pró atividade, muitas vezes sem treinamentos, sem uma metodologia e sem um padrão sistematizado para todos os novos clientes serem atendidos por igual e poderem observar esse maravilhoso diferencial de qualidade. Acreditem: Isto é possível!

Excelente para os novos clientes, adaptável para cada nível de expectativa e experiência, pois sempre será um grato e bem-vindo cuidado e atendimento. Quem não gosta de ser bem tratado, bem recebido, ser introduzido e adaptado a um local novo, tendo uma companhia para iniciar uma nova jornada? Além de ser, para os estagiários, uma das melhores formas de aprendizado real, vivenciando várias práticas, aprimorando suas relações humanas e a cada orientação tendo mais experiência e confiança, recebendo feedbacks e podendo evoluir a cada dia. Saindo da mesmice e da monotonia de ficar andando de um lado para o outro numa sala de musculação, “vigiando” setores de atividades aeróbias, guardando pesos e esperando as horas e os dias passarem para poder completar a carga exigida pela faculdade.

Para a academia é uma enorme possibilidade de formar um novo time e sempre ter novas “peças de reposição” feitas em casa. Sempre ter um novo ciclo periódico de estagiários treinados, observados, avaliados, corrigidos, e ao longo do tempo, poder ter a percepção de quais áreas (geralmente com esse programa é sempre mais de uma) o estagiário poderá ser melhor aproveitado como profissional. A academia ainda conta com um PLUS em ter novos talentos disponíveis para um time de substituições, para férias dos titulares, “buracos” nos horários e criação de novos horários, além dos profissionais efetivados nunca se acomodarem por saberem que sempre existirão os chamados “cachorros magros” novatos prontos para assumirem seus horários.

Como é bom ter um A.M.I.G.O em sua academia!

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email

Leia outros artigos

REF&H
Enviar