Aulas com baixa audiência: de quem é a culpa?

Publicidade

Já ministro aulas há 20 anos, além de ministrar cursos, workout e palestras em todo Brasil, principalmente na área de ginástica coletiva e sempre em bate papos informais ou até mesmos nos próprios cursos, falamos sobre quantidade de alunos nas aulas e estratégias para adesão e retenção, e sempre surgem debates sobre esse tema e começa a procura do X da questão.

Partindo do princípio que naturalmente ou através de capacitações, os professores de coletivas têm uma grande habilidade em atrair as pessoas principalmente para as suas aulas, o problema passa a ser como manter essas pessoas em suas aulas. Antes de colocarmos a culpa em alguém, precisamos analisar alguns pontos e responder a algumas perguntas:

  1. No dia e horário de um determinado professor onde há uma queda de alunos, o mesmo acontece nos outros dias no mesmo horário e com outros professores?
  2. Os alunos que faziam essa aula nesse mesmo horário, estão praticando outra atividade? Ou não estão indo à academia?
  3. A grade de horários sofre modificações de acordo com o público alvo e objetivos?
  4. Os professores estão em constante treinamento em diversas áreas ligadas ao setor?
  5. O gestor investe no setor de ginástica com intuito de melhoramentos e ou manutenção de equipamentos?
  6. Algum funcionário da academia procura saber o motivo do afastamento dos alunos?
  7. O professor está suficientemente motivado para exercer sua função com maestria?
  8. Os alunos estão alcançando os objetivos vendidos através da recepção e ratificada pelo setor da ginástica?
  9. As aulas de ginástica têm característica de treinamento ou de entretenimento?
  10. Existem reuniões de avaliações para detectar problemas e buscar soluções para esse setor?

Poderia citar outras questões, inclusive competências técnicas, relacionamento interpessoal e comportamental, comprometimento, entre outros, entretanto, acredito que essas questões supracitadas já gerem um mínimo de interesse em pensar de forma mais profissional em um problema que acontece em diversas academias do país.

Antes se culpar alguém, precisa-se identificar o real motivo da baixa audiência, propor reuniões, para se tentar detectar os problemas e propor soluções, em vez de se ficar em uma eterna guerra de professores x gestores para saber de quem é a culpa.

É preciso, também, identificar o nível de capacitação dos gestores, o que vai levar ao sucesso ou não dessa atividade na academia:

Gestores com visão estratégica enxergam as aulas coletivas como uma atividade que proporciona treinamento eficiente e seguro aos que não gostam de treinar sozinhos, são excelentes e fundamentais ambientes para maior relacionamento entre os clientes, podendo ser consideradas o coração da academia. Sem contar que as despesas com profissional são menores, visto que a proporção professor/aluno é menor que na musculação, além dos materiais, que custam menos que aparelhos de musculação.

Gestores sem visão estratégica enxergam as salas de ginástica como “commodity”, elas simplesmente têm que existir, não interessando se as aulas serão boas ou ruins, o que interessa é que a aula seja disponibilizada. Também não importa a qualidade do profissional, o que ele quer é que as aulas estejam cheias para gerar lucro e liberar mais espaço na musculação.

Quanto aos professores, existem os que realmente são comprometidos com o setor, se dedicam, se organizam, planejam, promovem, atraem, retêm, procuram soluções e quando há queda de audiência, mudam a estratégia, procuram ajuda, até mesmo mudança de modalidade. Por outro lado, existem aqueles professores acomodados, que apenas se importam em ministrar suas aulas e quando a audiência cai, ficam apontando culpados sem antes analisar as próprias atitudes que podem ter influência direta.

Para solucionar esse problema, o ideal é o diálogo entre professores, coordenadores e gestores, para o delineamento de estratégias e ações eficientes de marketing e vendas. Dessa forma, pode-se chegar a uma solução viável e concreta para o setor, colocando em prática o que foi planejado de forma que as melhorias atinjam professores, empresa e, principalmente, os clientes.

Forte abraço!

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email

Sobre a REF&H

Fundada em 20 de setembro de 2002, a revista Empresário Fitness & Health se consolida como uma das mais conceituadas revistas no segmento fitness, levando informação relevante e em linguagem acessível aos gestores de academias e profissionais que queiram se diferenciar no mercado.

Leia mais

WhatsApp da REF&H
Enviar