Publicidade

A cultura do desperdício

Colunista: Celso Cunha

Como definir o sucesso em suas mais variadas formas? Alcançar um objetivo seja ele qual for. Será que podemos definir assim? Ele é o resultado do empenho e de diversos outros elementos somados, dentre eles o conhecimento do que envolve o cerne dessa questão e se possível, todo o entorno somado à ação.

A soma de pequenos erros, concessões indevidas e fragmentos quase que imperceptíveis no dia a dia que se acumulam e, quando nos damos conta, estamos atolados em uma areia movediça que nos suga tempo e energia e chega a nos tirar o sono. No início, são os ovos da serpente: deslizes de integrantes de sua equipe ou até mesmo fornecedores ou clientes que tolerados desviam as diretrizes da rotina otimizada que devemos priorizar.

Planejamento é a chave de tudo

Planejar e organizar sua agenda são ações indicadas. Tenha disciplina para cumpri-la. Desperdiçar o tempo e procrastinar é como varrer para debaixo do tapete: algum dia será necessário um esforço ainda maior para corrigir o erro. Gastos desnecessários que comprometem as obrigações e a pontualidade deles. Assumir um patrocínio sem retorno que o justifique. Aquele atraso que é tolerado, aquela falta do caixa, aqueles pequenos deslizes de parte da equipe que com o tempo se incorporam à rotina e contribuem para o insucesso da empresa.

Lembro de um profissional da minha equipe que viajou para o nordeste sem prévio aviso e pediu que outra pessoa, não capacitada, assumisse seu posto e ainda me ligou solicitando que depositasse seu pagamento pois estava em uma praia na Bahia… Categoricamente respondi: “Desculpe-me, mas você não trabalha mais aqui.”

Steve Jobs disse, em uma ocasião, que ter foco é dizer não a tudo que lhe desvia de seus objetivos. Nesse caso, tive que ser taxativo para que esse tipo de atitude não se propagasse. Se você está no comando de sua equipe, nem sempre terá que ser tolerante e simpático.

O tempo é o nosso insumo mais perecível e nós o desperdiçamos sem critério algum. Um dia é composto de vinte e quatro horas para todo mundo e o que você faz com ele ou com seu dinheiro deveria ser priorizado, já que sempre existirá mais demandas do que disponibilidade.

Ficou interessado nesse artigo?

Assine a REF&H por R$ 120,00/ano e tenha acesso a mais de 300 artigos, além de todo o acervo (mais de 2000 artigos) disponível em formato digital em nosso site.

Chega de desculpas!

As principais desculpas por não se fazer algo são: “Não tenho tempo (dinheiro).”  E quando você ouvir isso de alguém, perceba que o objeto, o ato ou a pessoa em questão não são prioridade para quem propaga essa frase.

A soma dos fatores listados acima prejudica e pode colaborar para o fechamento de uma instituição, já que 2/3 delas encerram suas atividades nos dois primeiros anos. A gestão de uma empresa é algo complexo que envolve pessoas e números que devem ser sempre analisados de forma mais racional e menos emocional.

Faça o bem a si mesmo; evite o que pode se tornar uma pendência futura; não permita que o errado tome forma, ou os ovos da serpente eclodirão. A escola clássica administrativa reza que devemos “Planejar, Executar e Controlar”; tenha isso como um mantra.

Caso você não pratique essas máximas e mesmo assim esteja obtendo resultados satisfatórios; em minha opinião, você tem mais sorte do que juízo. Nesse caso não é se, e sim quando a espiral negativa se iniciará.

Bons negócios e boa sorte!


Print Friendly, PDF & Email
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email

Leia outros artigos

O que achou desse artigo?

Publicidade

REF&H
Enviar