Publicidade

Ponto de equilíbrio, o ponto G da sua empresa

Colunista: Celso Cunha

Ser empreendedor é conviver com incertezas. Em um país onde até o passado muda, a palavra risco é uma constante na vida de quem decidiu pelo caminho da independência. Será que teremos lucro esse mês?

Resquícios da pandemia, parcelas vencidas, contas em atraso e, contrariando as previsões, a crise se estende, com o agravante de que parte considerável dos clientes não retornaram.

Seria quase uma heresia contar com o capital de giro já que essa reserva foi consumida há quase um ano e a reposição se tornou inviável devido à Covid19 e suas restrições que impactaram quase todos os negócios.

Cortamos todos os custos possíveis, esforços constantes para trazer de volta quem se afastou e, se tudo der certo, fecharemos no azul. É importante saber os números reais nesse momento e um deles, se não o mais importante, sem dúvida, é o ponto de equilíbrio.

Ponto de equilíbrio é quando os custos e a receita se equivalem; esse número deve ser dividido pela média da mensalidade também chamada de ticket médio para saber quantos clientes você precisa para chegar a esse ponto. O próximo cliente pagante decretará que atravessamos a linha de Gaza e que a balança tenderá a nosso favor.

Exemplo:

Custos = R$42.000,00   


DIA/MÊS x CAIXA   REC/TOTAL
1       R$ 1.500,00     R$ 1.500,00
2       R$ 2.800,00     R$ 4.300,00
3       R$ 3.600,00     R$ 7.900,00
4       R$ 2.700,00     R$ 10.600,00
5       R$ 4.200,00     R$ 14.800,00
6       R$ 2.200,00     R$ 17.000,00
7       R$ 1.900,00     R$ 18.900,00
8       R$ 1.800,00     R$ 20.700,00
9       R$ 2.300,00     R$ 23.000,00
10     R$ 4.400,00     R$ 24.400,00
.       .       .
.       .       .
.       .       .
22      R$ 1.200,00     R$ 42.000,00

Em nosso exemplo a receita empata com os custos da operação no dia 22 do mês corrente.  Supondo que o tíquete médio por cliente seja R$100,00 precisaríamos de 420 clientes para suprir os custos.

Seguindo o exemplo acima sugiro que consulte os números reais de sua empresa e tenha ciência da situação em que se encontra.  Monte seu plano e tenha disciplina para cumpri-lo.

A busca incessante do lucro é fundamental para a perpetuação do negócio. Ajustes serão sempre necessários nesse caminho. Antecipar o que pode ser previsto e reservar recursos sempre que possível, agora ciente da importância do colchão também chamado de capital de giro e almejando dias melhores.

Bons negócios e boa sorte!

 

Print Friendly, PDF & Email
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email

Leia outros artigos

O que achou desse artigo?

Publicidade

REF&H
Enviar