Publicidade

Biohacking: o futuro do desenvolvimento humano

Colunista: Tiago Pereiras

O futuro da tecnologia não está ao nosso redor, está dentro de nós. Nas palavras de Elon Musk: “Nós já somos ciborgues”.

Faça uma pequena análise: o uso de remédios, óculos, aparelhos auditivos e a abundante tecnologia disponível, para todos que podem pagar, vem provocado a expansão das capacidades naturais do corpo humano todos os dias!

Através do excitante mundo do Biohacking e do aparentemente inevitável futuro que é o Transumanismo, a ciência está alcançando diariamente novos patamares. A tecnologia vem sendo incorporada em nossas vidas diárias e dentro de nossos corpos físicos e podemos ser solicitados a perguntar: quanto tempo até que fiquemos mais computadores do que humanos?

Você já ouviu falar de hackers, hackers de smartphones, hackers de e-mail. Você já ouviu falar de eleições de hackers. Mas e quanto a invadir seu corpo?

O conceito é chamado de Biohacking. No começo, parece algo do Admirável mundo novo. Mas Biohacking é realmente tudo sobre evolução e autoaperfeiçoamento.

Embora possa variar de projetos caseiros de bricolagem a experimentos de laboratório de alta tecnologia, há várias maneiras de começar a incorporar métodos de Biohacking à sua rotina diária, algo que já faço há algum tempo, desde quando criei uma das primeiras startups desse tema que não conhecia.

Biohacking é essencialmente a prática de mudar nossa química e nossa fisiologia através da ciência e autoexperimentação. É uma definição ampla, mas também porque a ideia de “Biohacking” está em constante evolução.

Pode ser tão simples quanto implementar mudanças no estilo de vida e na dieta que melhorem o funcionamento do seu corpo. Pode ser tão diário quanto usar tecnologia vestível para ajudá-lo a monitorar e regular dados fisiológicos, ou pode ser tão extremo quanto usar tecnologia de implante e engenharia genética.

As possibilidades são infinitas, mas estão todas enraizadas na ideia de que podemos mudar nossos corpos e nossos cérebros, e que, ao fazê-lo, podemos finalmente nos tornar mais inteligentes, mais rápidos e melhores como seres humanos.

Biohacking é uma subcultura em crescimento que explora as maneiras pelas quais podemos alterar nossos próprios corpos; não só para repará-lo, mas para melhorá-lo. Intervenções de Biohacking variam de modificação estética a tecnologias complexas sendo implantadas nos corpos das pessoas.

Enquanto a humanidade continua avançando, trazendo à vida o aparentemente impossível todos os dias, seria a hora de parar para considerar as consequências? Ou devemos continuar a empurrar as fronteiras do nosso mundo moderno?

A arte e a ciência do Biohacking estão se expandindo ou preenchendo a lacuna entre humanos e computadores. O transumanismo pode parecer um conceito de ficção científica, mas à medida que a humanidade continua em seu caminho evolutivo, provavelmente se tornará comum. Independente do que seja nosso futuro, parece inevitável que a tecnologia simplesmente não evolua ao nosso redor, mas dentro de nós.

A evolução em si está evoluindo. O que começou como “sobrevivência do mais apto” agora inclui elementos sociais que influenciam esse paradigma mais simples. A definição clássica de evolução é composta de dois fatores: mutação e seleção. Mutação é a aleatoriedade que recebemos quando os genes se replicam. A maioria das mutações não é benéfica: fibrose cística, anemia falciforme, hemocromatose etc., que causam a morte ou, pelo menos, uma chance menor de encontrar um parceiro e aumentar a prole com êxito.

A outra metade da evolução é a seleção. Seja artificial ou natural, a seleção é a seleção. O resultado final é o mesmo. O que é interessante sobre seleção é que estamos optando por processos seletivos, um por um. Com o advento da ciência médica e tecnologia aprimorada, estamos resolvendo com sucesso doenças que teriam matado bebês recém-nascidos e idosos. Somos capazes de corrigir o resultado de doenças genéticas: defeitos na válvula cardíaca e outras condições letais podem agora ser reparadas. Graças à ciência e à tecnologia, essas pessoas agora podem viver suas vidas. Mas podemos também influenciar o fim da mutação do mecanismo evolucionário? Talvez, ousamos sugerir, projetar inteligentemente o futuro da humanidade?

Estamos obviamente à beira de uma revolução nas terapias genéticas e na modificação genética do genoma humano. Esses avanços são poderosos e alguns podem temê-los, mas a engenharia genética é a coisa moral que devemos em prol do futuro da humanidade. Todos concordam que é a coisa moral e correta salvar a vida de um bebê com uma condição genética letal, mas a cirurgia só corrige o sintoma. Essa pessoa crescerá e provavelmente passará a mutação genética letal para o futuro através de seus descendentes. Portanto, não seria a coisa moral e correta a ser feita para corrigir a mutação genética?

Se esperamos que se espalhe para além deste planeta e deste sistema solar, devemos adotar tecnologias de modificação genética para que possamos construir seres humanos mais adequados para viagens interestelares.

Tecnologia e conhecimento permanecerão evoluindo e nós também devemos realizar esse caminho, em prol da nossa evolução física, mental, espiritual, enfim, evolução sistêmica.

Print Friendly, PDF & Email
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email

Leia outros artigos

O que achou desse artigo?

Publicidade

REF&H
Enviar