Publicidade

O boom das aulas on-line

Colunista: Mauro Guiselini

Há males que vem para o bem!

É uma ANTITESE! São os contrários que se confrontam, o Bem e o Mal, sempre na eterna luta em busca do equilíbrio! Mas o que este provérbio popular, de autor desconhecido, tem com a atual situação… Corona vírus… Quarentena… Treinamento OnLine em Casa… Profissional de Educação Física?

De repente a população mundial foi acometida de uma pandemia que colocou todos numa situação imaginável, reclusos em casa tendo todo o tempo do mundo para se ocupar com tarefas até então difíceis de serem realizadas pela famosa justificativa: “não tenho tempo…”. Dentre essas tarefas não realizadas, sem dúvida a prática do exercício físico regular estava entre as primeiras, senão a principal!

Milhares de pessoas, seguramente, sabem da importância do exercício físico ou, pelo menos, em algum momento da sua vida, ouviram falar sobre os seus benefícios para a saúde, prevenção de doenças, divertimento, relacionamento social, entre outros; porém, os números do sedentarismo são alarmantes. São milhares de mortes, todos os anos, cuja causa tem relação com doenças crônico-degenerativas decorrentes do sedentarismo, muito embora os meios de comunicação, profissionais da área da saúde têm divulgado, de forma massiva, os benefícios dos exercícios sendo realizado de forma correta, orientados por profissionais competentes.

Muito se tem discutido, são inúmeras pesquisas sobre os benefícios do exercício, em especial sobre o sistema imunológico, além dos efeitos agudos e crônicos no sistema cardiorrespiratório, musculo esquelético, endócrino, enfim, o exercícios físico é reconhecido como um excelente remédio que, quando bem prescrito, produz efeitos tanto na prevenção como no auxílio da cura de determinadas doenças, além da melhoria da aptidão física relacionada à saúde, bem-estar, estética e performance.

Os efeitos positivos do exercício e adequada prescrição para a melhoria do sistema imunológico foram muito evidenciados neste momento de crise: depoimentos, publicações, lives, foram realizados mostrando a importância de ser ativo e de como estar mais protegido por meio de práticas saudáveis.

Com a advento da quarentena, a falta de tempo deixou de ser o grande inimigo para a prática de exercícios, criou uma expectativa muito grande entre os Profissionais de Educação Física, com a oportunidade de oferecer, para o grande público sedentário, dicas de exercícios, aulas para serem realizadas em casa, a qualquer horário, sem custo nenhum, usando poucos recursos.

Aproveitando o momento, as academias passaram a oferecer aulas gravadas pelos seus professores, procurando, assim, manter o vínculo com seus alunos/clientes – aulas on line, similares àquelas realizadas no ambiente offline. O mesmo procedimento está sendo adotado pelos Personal Trainers – treinamento online, uma modalidade até então pouco praticada, passa a ser a alternativa pedagógica e mercadológica.

Surfando na mesma onda, empresas de aplicativos passam a oferecer programas de treinamento, com baixo custo e, até mesmo gratuito, na tentativa de conquistar novos clientes e até mesmo aqueles já acostumados a se exercitarem nas academias.

Realmente uma grande revolução no mercado, sem contar com as centenas de LIVES e ofertas de programas personalizados e coletivos oferecidos por um sem número de profissionais, fisioterapeutas, profissionais de Educação Física e nutricionistas que mergulharam na onda do online.

Um Momento de Reflexão

Diz também o ditado que “o inferno está cheio de bem intencionados”… Com a fantástica liberdade de expressão do Instagram, Facebook, Youtube, estamos vendo uma invasão desenfreada de propostas de aulas para serem realizadas em casa, na sua grande maioria gratuitas – o que é muito bom – porém, segundo vários profissionais de Educação Física, os conteúdos apresentados têm uma variação muito grande no que se diz respeito a aplicação para a grande maioria das pessoas sedentárias.

É claro e sabido que a população, mais de 50% sedentária, com sobrepeso, disfunções musculoesqueléticas, baixa capacidade funcional muscular e cardiovascular, não tem condições de participar de aulas que são elaboradas com exercícios de alta intensidade e complexidade; elas são possíveis de serem realizadas por indivíduos bem treinados, mas não por aqueles que estão há muitos anos inativos.

É muito diferente quando um Personal Trainer elabora um treinamento online e envia para seu aluno, ele já o conhece, tem o seu histórico, suas preferências e necessidades; a aula é elaborada de acordo com sólidos critérios fisiológicos, biomecânicos e pedagógicos… assim imagino que deva ser, é a competência profissional!

No entanto, propor uma aula para uma população que desconhecemos em detalhes, pois não são nossos alunos, não foram avaliados por nós, muito embora, de antemão, é sabido que são destreinados, portadores de inúmeras patologias, faz-se necessário alguns cuidados. Isto não quer dizer que não deva começar a se exercitar, deve sim, sair do estado de quase inanição que se encontram.

Importante ressaltar que, para essa população, neste momento as aulas não devem ser focadas em emagrecimento rápido, aumento de massa muscular, mudanças rápidas na aptidão física entre outras propostas e sim elaboradas para tirá-los da inatividade, ou seja, torná-los levemente ativos.

Conquistá-los, por meios de exercícios simples, de baixa/moderada intensidade e complexidade, que consigam realizar de forma alegre e descontraída, sem exageros, focados, principalmente no desenvolvimento da capacidade cardiorrespiratória aeróbia/anaeróbia, força muscular e mobilidade/flexibilidade.

Estar atento a não propor exercícios de alto impacto, agressivos, com muita velocidade e amplitude, que eventualmente possam comprometer as articulações dos joelhos, quadris, coluna e ombros. Como é sabido, a população, de maneira geral, além do alto índice de obesidade, tem problemas na coluna, em especial na região lombar, portanto os exercícios abdominais tradicionais – crunch, canoinha, russian twist, entre outros que causam um grande estressa na região lombar – devem ser evitados para essa população, apesar de não serem proibidos para atletas, apesar da alta intensidade…

Orientações pedagógicas para as aulas on-line

Recomendamos que as aulas, propostas especificamente para a população sedentária, devam ser elaboradas por profissionais de Educação Física,  de acordo com  princípios cinesiológicos, biomecânicos, fisiológicos e pedagógicos; que sigam uma organização didática contendo exercícios adequados às características e necessidades da população, de maneira geral, como dito anteriormente: baixa capacidade funcional, inúmeras disfunções musculoesqueléticas. Que priorizem os exercícios focados no desenvolvimento da resistência cardiorrespiratória aeróbia/anaeróbia – melhoria do bom funcionamento do coração; exercícios para o desenvolvimento da força muscular – membros inferiores, CORE e tronco; melhoria da flexibilidade/mobilidade com ênfase nos músculos posteriores da coxa, peito, costas e ombros; melhoria da capacidade de  descontrair e relaxar, incluindo exercícios respiratórios e relaxamento.

As aulas devem ter a duração de 15, 20 a 30 minutos, de acordo com os objetivos específicos da aula, incluindo orientações didáticas quanto à intensidade, maneira correta de executar os exercícios, número de repetições, além de enfatizar os benefícios de treinar de forma moderada/intensa, sem exageros.

Para ajudá-los a elaborar uma aula online para treinar em casa, elaboramos o e-book “Metodologia Multifuncional Em Casa – o seu novo jeito de treinar em casa”, contendo informações detalhadas sobre o tema. Para receber, gratuitamente, clique na imagem abaixo para participar do nosso grupo no Telegram.

ebook-metodologia-funcional-em-casa

 

 

Print Friendly, PDF & Email
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email

Leia outros artigos

O que achou desse artigo?

Publicidade

REF&H
Enviar