Contratando um instrutor de Pilates através da análise do currículo Lattes

Uma das preocupações que empreendedores devem ter é como contratar um instrutor para seu estúdio de Pilates que, além de experiência, tenha um conhecimento técnico adequado para atender os clientes matriculados no estúdio.

Essa não é uma tarefa fácil, afinal, este instrutor deve perpassar as informações técnicas sobre exercício, adentrando aos conhecimentos socioativos e gerenciais de pessoas. Sim, hoje precisamos de instrutores modernos, e não somente de alguém que fez um curso de Pilates e possui um certificado.

A maioria dos estúdios de Pilates ainda não está pensando como uma grande empresa, e acaba se contentando com um instrutor “tapa buracos”, que pode até ser mais barato, mas não acrescentará em nada no crescimento do seu empreendimento. Logo, logo, esse empreendedor será dominado pelo pensamento: “o Pilates não dá dinheiro”. Pois bem, eu não conheço esse tal Pilates que é relatado e sugiro repaginar suas estratégias de gerenciamento de um negócio, se você pensa assim, antes que seja tarde demais.

Hoje, diante de tanta competitividade, o instrutor precisa ser versátil e preparado para entender as diversas vertentes do ser e sentir do ser humano. Como seu instrutor convence o cliente de que precisa se manter no Pilates? A manicure sabe convencer a dona Maria, e seu instrutor, sabe? “Claro que sabe!”, você diria. Ele tira fotos e posta nas redes sociais, divulgando o estúdio.

Pensemos aqui entre nós: qualquer pessoa, que nem completou o ensino fundamental, coloca alguém pendurado, tira uma foto e posta no Instagram. É esse o instrutor que, você empreendedor, acredita que vai fazer bem para sua empresa? Sim, isso é um puxão de orelha virtual para acordarmos para realidade do que é ser um empreendedor de verdade. Empreender não é abrir um estúdio e colocar qualquer pessoa para trabalhar para você! Te exige conhecimentos muito maiores, como o de saber contratar a pessoa certa. A pessoa que vai te ajudar a crescer.

Já parou para pensar que seu instrutor só tem a capacidade de repetir os exercícios vistos em um curso básico de Pilates e que todo o mercado está fazendo exatamente a mesma coisa? O que tem de inovador nisso? E pior, além de rotineiro e ineficiente, ele ainda não tem qualidade técnica para alcançar o resultado esperado para seu cliente.

Achou a fala pesada? Pois é, esse é o mercado atual… o mercado do “copia exercício” para postar na rede.

Mas calma, essa generalização é apenas para incomodar mesmo. Existem muitos instrutores de excelência escondidos no mercado. Para achá-los, é preciso uma análise detalhada de toda sua experiência e de quais e quantos (quantitativamente e qualitativamente) cursos de aprimoramento o mesmo participou. E não estou falando somente de cursos de Pilates. Estou me referindo às diversas outras ciências que estão por trás das metodologias de exercícios. Poderíamos usar como exemplos: o quanto seu instrutor é capacitado para entender Biomecânica e traçar estratégias de aumento e diminuição de cargas pelas alavancas; o quanto ele entende de Fisiologia do Exercício para manipular as variáveis de repetições, séries, percentuais de carga, tempo de intervalo, entre outros, para assim alcançar o volume de estresse muscular correto, o substrato de ressíntese do ATP mais adequado; o quanto ele foi preparado para entender os anseios e as necessidades afetivas do praticante; e por ai vai…

Existem diversas estratégias para analisar esses conhecimentos, porém a que eu mais gosto, é a análise do currículo Lattes.

Trata-se de uma plataforma científica do CNPQ onde o profissional deve registrar toda sua produção científica, que vai desde participações como ouvintes de simples palestras, até a produção de artigos, livros, docências em um geral e em quais locais já trabalhou.

Além de fazer um resumo das experiências do instrutor criado pelo próprio Lattes, como o da imagem acima, toda a produção de conhecimento do entrevistado que busca uma vaga no seu estúdio está disponibilizada nesse currículo, diferentemente do currículo vitae, que além de não ser científico, traz apenas um resumo de uma página de toda a carreia acadêmica e profissional do instrutor. Em outras palavras, o currículo vitae é uma estratégia que não mostra nem 10% da capacidade do entrevistado.

Dessa forma, o dono do estúdio pode dar o primeiro passo para selecionar o seu instrutor perfeito, peneirando e selecionando apenas os currículos que têm o perfil desejado. Após esse processo, conseguirá entrevistar e conhecer melhor todos os pontos fortes do entrevistado, que previamente foram marcados no currículo Lattes que está impresso nas suas mãos. Depois desse passo, uma demonstração de suas habilidades na prática de aula também se faz importante.

Assim encerramos nossa matéria alertando que a cobrança de uma boa preparação por parte dos instrutores também depende de você, empreendedor. Só contrate quem realmente tem condições e se preparou para crescer com você!

Boas análises e bons negócios!

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email

Leia outros artigos

REF&H
Enviar