O Pilates como um negócio rentável para a academia

Publicidade

Trabalhando com a formação de instrutores de Pilates nos últimos anos, venho percebendo que um dos maiores objetivos do profissional é a aquisição do negócio próprio, mais especificamente, a abertura de um estúdio de Pilates.

Uma das principais justificativas seria a de alcançar uma maior remuneração em concomitância com a independência profissional. Em coro com os alunos, caso esteja preparado para virar um empreendedor, pode ser um negócio rentável e de grande valia.

No entanto, será que é um mercado viável para aqueles que já são empresários? Irei traçar aqui algumas características positivas e negativas para a implementação de um estúdio de Pilates na academia para que todos nós possamos expressar nossa opinião sobre o assunto.

Iniciando pelos principais pontos positivos, podemos citar: o baixo investimento para o início do negócio e para sua manutenção, a necessidade de poucos profissionais atuantes, pequeno espaço necessário e maximização das ferramentas de marketing diante da oferta de serviços.

Pensando no custo de abertura do estúdio, se um aparelho profissional da academia, como uma esteira moderna, pode chegar aos R$ 50.000,00, a compra dos 5 aparelhos tradicionais do Pilates gira em torno de R$ 8.000,00 e R$ 12.000,00. Acrescentando custos com materiais de solo como tatames, bolas, elásticos, arcos, halteres, caneleiras, discos de equilíbrio e proprioceptivos e outras inovações, o empresário investirá no máximo R$ 15.000,00. Portanto, com o preço de apenas um aparelho de musculação, é possível criar três estúdios de Pilates.

Quanto à manutenção do estúdio, podemos destacá-la como mais um ponto positivo, pois o gasto maior incidirá na reposição das molas, troca plástica ou do estofado dos aparelhos e a reposição de alguma faixa elástica ou outro material que por ventura venha a se danificar. Arrisco afirmar que, numa média, gastam-se menos de R$ 1000,00 anuais com a manutenção dos diversos materiais, já que alguns possuem alta durabilidade.

A necessidade de poucos profissionais atuantes é outro fator que pode auxiliar o dono da academia. A recepção, a faxina e similares podem ser feitas pelo mesmo profissional, carecendo apenas de um pequeno reajuste salarial. Além disso, devido ao molde de mercado, as aulas de Pilates possuem uma média de 3 a 5 alunos por horário, montante significativamente diferente do que percebemos nas salas de musculação e aulas coletivas.

Assim, devido ao baixo número de contratados, é possível investir na qualidade do instrutor, favorecendo um salário maior e o estímulo de planejamento de aulas cada vez mais qualitativas e não só quantitativas. Vale a ressalva de que existem aulas em formato coletivo com maior quantidade de alunos, mas como a modalidade ainda está em crescimento, estou me baseando no formato de estúdio clássico.

Pensando no espaço necessário, como os aparelhos podem ser dispostos de maneira compacta e são muito menores comparados aos da musculação, uma sala ou um espaço de 40m2 já é suficiente. Portanto, diante de adaptações, é possível fazer com que a própria sala de aulas coletivas se transforme em um estúdio de Pilates de solo ou até com os aparelhos tradicionais. Um exemplo de amoldamento seria dividir a sala de aulas coletivas criando um pequeno espaço com divisórias. Caso o empresário opte apenas pela modalidade de solo, não é preciso qualquer outro investimento, a não ser a compra dos materiais de prática dos exercícios.

Outro modo de se pensar positivamente no Pilates em ambiente de academia seria a maximização das ferramentas de marketing diante da oferta de serviços. Estamos diante de uma crescente procura por novidades e prática das diversas modalidades de exercícios, no entanto, sendo oferecidas no mesmo local, facilitando a comodidade e otimização temporal. Em acréscimo, quando a academia oferece tanto os serviços tradicionais, como também o Pilates, terá a possibilidade de atrair o cliente de um ambiente para o outro, facilitando a venda de pacotes promocionais, e principalmente, a queda da evasão de pessoas, que cansadas do cotidiano de uma ou outra modalidade, procuram refúgio em outras empresas. É possível e necessário não só aumentar o número de inscrições, como também, fidelizar o cliente, possibilitando a criação do melhor marketing existente, que é o boca a boca.

Mas nem tudo são flores, principalmente para o pequeno empresário que está iniciando no empreendedorismo e depende de um retorno financeiro rápido. Devido ao maior valor cobrado, com mensalidades que variam em média de R$ 120,00 a R$ 200,00 possibilitando a prática de apenas 2 horas de aulas semanais, existe certa elitização na prática clássica de estúdios. Aos praticantes que gostariam de obter adaptações biológicas em nível mais alto, treinar a modalidade do Pilates com frequência semanal de 5 dias pode custar uma média de R$ 400,00, valor inexplicavelmente diferente dos oferecidos pelas principais academias de musculação. Portanto, esse é um fator dificultador e, por isso, as aulas em formato coletivo com maior quantitativo de alunos e menor preço crescem, favorecendo a prática do exercício por pessoas que não possuem um montante financeiro tão alto.

Outro ponto a se relatar é a grande concorrência entre os estúdios. Como dito, o custo máximo para criar uma boa academia gira em torno de R$ 300.000,00, enquanto que um estúdio de Pilates de excelência, apenas R$ 15.000,00. Além disso, o espaço necessário é muito menor, bastando o aluguel de uma pequena sala comercial, sem citar que para a implementação de um estúdio, não é necessário um CNPJ, basta o alvará condizente para que a atividade seja considerada legalizada.

Por esses motivos e impulsionado por questões midiáticas, pelo aumento do público praticante, por representações sociais e pelo crescente status de saúde alcançado por meio do exercício físico construído ao longo dos últimos anos, crescem exorbitantemente o número de estúdios. A ação de criar um estúdio de Pilates pode ser comparada com uma analogia a uma balança mecânica. Cabe ao empresário criar estratégias mercadológicas para pesar mais ao lado do sucesso do que ao do fracasso, se esquivando das dificuldades naturais do empreendedorismo.

Em outras palavras, apesar das dificuldades, desde que bem planejado e com a construção de bases sólidas para vencer a concorrência e as dificuldades, o estúdio de Pilates pode se tornar uma ferramenta relevante para a melhora dos lucros e do serviço prestado em academias de musculação, já que os pontos positivos são muito mais relevantes que os negativos ou dificultadores.

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email

Sobre a REF&H

Fundada em 20 de setembro de 2002, a revista Empresário Fitness & Health se consolida como uma das mais conceituadas revistas no segmento fitness, levando informação relevante e em linguagem acessível aos gestores de academias e profissionais que queiram se diferenciar no mercado.

Leia mais

WhatsApp da REF&H
Enviar