Publicidade

Solução de problemas nos negócios em fitness & wellness

Colunista: Edvaldo de Farias

Antes de tudo, consideramos relevante explicar a você o que este artigo NÃO É. Não é uma receita para o sucesso, não é um manual de como chegar lá e nem tão pouco traz a convicção de que não seguir determinados passos, que descreveremos a seguir, condena pessoas e negócios ao fracasso.

Por outro lado, podemos, sim, afirmar que nossa proposta neste ensaio é descrever um conjunto de ações propostas por Dalio (2018), um bilionário investidor americano que pilota nada mais nada menos do que a 5ª empresa privada considerada mais relevante nos EUA, além de ser considerado pelo ranking da Revista Forbes um dos 100 homens mais influentes no mundo, e um dos mais ricos.

Segundo ele, sem uma atitude objetiva, pragmática e focada em resultados, sobretudo por parte dos gestores, é praticamente impossível gerir negócios, resolver os problemas que lhes são intrínsecos e, por conseguinte, gerar resultados de valor para os clientes e rentabilidade com prosperidade para as empresas.

Mas nesse momento, é possível que você esteja com uma pergunta na mente depois de iniciar a leitura desse artigo:

O que um investidor americano pode nos ensinar, ou melhor, o que podemos extrair como referência para os negócios em fitness & wellness no Brasil?

Bom, antes de tudo é importante que você não esqueça de que não estamos falando de “qualquer” segmento de negócios, mas sim, de um que possui, segundo dados da IHRSA (2019), 34,5 mil academias e 9,6 milhões de frequentadores e o Brasil já é responsável por mais da metade dos centros de fitness & wellness na América Latina, reunindo desde aquelas cujo modelo de negócio é HVLP – High Value Low Price (alto valor e baixo preço), e que já ocupam em torno de 60% do mercado nacional, até aquelas consideradas Premium, cujo ticket médio corresponde ao extrato socioeconômico mais alto da sociedade.

Assim, o Brasil ocupa o 10º lugar no ranking de faturamento da indústria mundial do fitness, com US$ 2,1 bilhões e, por isso mesmo, exerce relevante papel na formação do PIB (Produto Interno Bruto) do país, considerando que este é gerado em mais de 70% por serviços, nos quais nossos negócios estão inseridos.

Ficou interessado nesse artigo?

Aproveite a promoção somente neste mês de novembro/2021 e faça sua assinatura VITALÍCIA da REF&H com um único investimento de R$ 120,00 e tenha acesso a mais de 300 artigos, além de todo o acervo (mais de 2000 artigos) disponível em formato digital em nosso site.

Por isso mesmo, consideramos relevante compartilhar com você, empresário do segmento fitness & wellness, a percepção deste investidor no que diz respeito a aspectos que estão presentes em todas as empresas e negócios que triunfam e prosperam, apesar dos tempos de incerteza que vive o mundo dos negócios, ainda que sejamos capazes de reconhecer que as incertezas fazem parte de nossa realidade de modo contínuo, variando apenas nas suas causas.

Assim, o que pretendemos, neste breve artigo, é resultante da intenção de contribuir com um “repensar” nossos negócios, exatamente num momento em que isso se tornou praticamente obrigatório, em função da mudança de cenários trazida pela pandemia e dos problemas que daí derivaram, sobretudo diante da mudança do perfil de consumo, do surgimento de novos players e modelos de negócio, que trouxe um aumento exponencial do ambiente concorrencial para este segmento.

Princípios estratégicos de empresas de sucesso

Dessa forma, nos propomos a descrever e analisar um conjunto de estratégias e sua importância, traduzidas por aquilo que o citado autor denominou de “princípios”, que observou ao longo de sua trajetória profissional e estarem sempre presentes nas organizações que alcançaram resultados de sucesso e tornaram-se diferenciadas em termos de competitividade mercadológica.

Isso significa dizer que estes princípios, em certa medida, se mostraram com um “traço comum” de todas elas e, exatamente por isso, esta evidência tenha sido responsável pelo elevado interesse de investidores financeiros nos mais variados segmentos, e especialmente no segmento dos serviços fitness & wellness ou, usando nomenclatura mais contemporânea, nos negócios do bem-estar.

Metodologia FCA de solução de problemas

É interessante observar que a proposta de Dalio (2018) vai ao encontro, por estar alinhada conceitualmente, ao que conhecemos há mais tempo como metodologia FCA (Fato – Causa – Ação), voltada exatamente à busca de solução para problemas no âmbito empresarial e que é particularmente adequada ao segmento de prestação de serviços, que depende menos de controle de qualidade de produtos tangíveis, como demanda a indústria de bens.

FCA é uma metodologia simples, realmente simples, mas que pode fazer enorme diferença quando se fala da sua busca por soluções para qualquer tipo de problema que aconteça no ambiente corporativo. De maneira geral, o FCA consiste em identificar o fato (o problema em questão), sua causa (origem) e as consequentes ações necessárias (solução) para resolver o problema.

A vantagem que esta metodologia nos oferece é permitir que cheguemos à causa geradora de qualquer problema e, portanto, evita que as soluções propostas sejam desconectadas da realidade a ser modificada, funcionando como redutor de custos e otimizador dos investimentos necessários.

Além disso, a metodologia FCA contribui com os gestores no sentido de favorecer o desenvolvimento de uma visão mais sistêmica, holística, abrangente do seu negócio, o que propicia um conhecimento aprofundado sobre os processos que envolvem a produção dos serviços entregues aos clientes.

Como você pode observar, e esperamos que tenhamos sido claros nessas descrições, seja na proposta de Dalio (2018) ou na metodologia FCA, a ideia de que problemas demandam a busca por soluções efetivas, com os menores custos e cuja responsabilidade geralmente recai sobre os gestores.

Podemos afirmar, categoricamente, que não há empresas que não tenham problemas, e isso significa dizer que exatamente por estarem vivas, e em constante movimento é que apresentam falhas, não conformidades e percalços, e que exatamente por isso estão sempre diante da possibilidade de fazer melhor o que já fazem, o que representa seu potencial de melhorar sempre a qualidade de suas entregas.

Não querer ter problemas é desejar não estar vivo, não ter dinâmica, não pulsar, não evoluir. Da mesma forma, assumir a responsabilidade de resolver os problemas inerentes a essa dinamicidade de modo claro, direto, objetivo e simples é papel dos gestores e suas equipes, e por isso mesmo, a ideia que buscamos compartilhar aqui com você é de que precisamos apenas ter processos e ferramentas que nos permitam fazer isso. Certamente, cada vez que uma empresa sai na busca pela solução de seus problemas, abandona uma posição anterior e muda de nível, sempre na direção da melhoria contínua.

Referências

DALIO, R. Princípios. RJ: Intrínseca, 2018.

FARIAS, E. Motivação dos Colaboradores e Performance das Empresas de Serviços: Quem Vende Bem-Estar Precisa ter Bem-Estar. Revista Empresário Fitness & Health. V. 103. Disponível em https://revistaempresariofitness.com.br/gestao-com-ciencia/motivacao-dos-colaboradores-e-performance-das-empresas-de-servicos-quem-vende-bem-estar-precisa-ter-bem-estar/. 2021.

FARIAS, E. Motivar Equipes em Tempos de Crise: Uma Boa Estratégia para os Negócios. Revista Empresário Fitness & Health. V. 99. Disponível em https://revistaempresariofitness.com.br/gestao-com-ciencia/motivar-equipes-em-tempos-de-crise-uma-boa-estrategia-para-os-negocios/. 2021.

VENLIOLES, F. M. Coordenador de Academia: O Caminho do Sucesso. RJ: Ruja, 2021.

Print Friendly, PDF & Email
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email

Leia outros artigos

O que achou desse artigo?

Publicidade

REF&H
Enviar