Publicidade

Natação e vivências do nado artístico

Colunista: Marcelo Barros de Vasconcellos

Independente de qual modalidade aquática se deseja praticar (natação, nado artístico, polo aquático, maratonas ou saltos ornamentais), todas terão que iniciar com conteúdos de adaptação ao meio líquido. Essa adaptação consiste no ensino do equilíbrio, da respiração, da troca de decúbito, da propriocepção e de diversos outros conteúdos relacionados ao domínio do corpo dentro da água. Posteriormente, especificamente durante o ensino do nado artístico (anteriormente chamado de “nado sincronizado”), será desenvolvida a coordenação, a flexibilidade, a força, o ritmo, a resistência, o equilíbrio dinâmico e a cooperação.

Existem alunos que já sabem nadar, mas não têm uma adaptação ao meio líquido bem desenvolvida. Nesse sentido, vivenciar aulas de nado artístico pode ajudar o aluno a conhecer melhor o corpo no meio líquido. Além disso, experiências de aulas com música e ritmo vivenciados no nado artístico podem ajudar o aluno no domínio do ritmo dos nados. 

Relação nado artístico x natação

A saber, existe uma relação da técnica do nado artístico com a técnica da natação. No entanto, a maioria dos locais que oferecem nado artístico são clubes e ainda são poucas academias com essa modalidade. O público que pratica a natação artística é oriundo do balé, ginástica rítmica, ginástica artística, dança e a grande maioria vem da natação.

Para o Prof. Guilherme Tucher, poderiam existir momentos pontuais onde os alunos de natação são oportunizados a “oficinas” do nado artístico para que eles pudessem vivenciar outras experiências de movimentos que podem contribuir com a aquisição de competência geral na água e melhor percepção do próprio corpo. Por consequência, pode ser que isso contribua com a melhora da técnica.

Tucher sugere que haja uma experimentação múltipla dentro da água e acrescenta que mesmo que o aluno já tenha passado pela adaptação ao meio líquido e esteja na aprendizagem dos nados formais, pode ter experiências de movimentos que geralmente só são ensinados no nado artístico, polo aquático, maratonas e saltos ornamentais. Não significa que ele tenha que fazer o “nado artístico” propriamente dito, apesar de também ser uma possibilidade.

Outra possibilidade é incluir, na dinâmica da aula de natação, técnicas propulsivas do nado artístico, por exemplo, o crawl lateral, crawl cabeça fora d’água, pernada de peito com braço à frente (“peitinho”) que é utilizada nas trocas de desenhos, pernada de tesoura e pernada alternada usada no polo aquático para sustentação (eggbeatter).

O nado artístico nas aulas de natação

Nesse sentido, o que se propõe é sair do ensino exclusivo das técnicas dos nados e do básico da natação (braçada e pernada) e oferecer mais possibilidades a esse aluno, para que ele possa conhecer melhor o corpo dentro da água. Essas aulas teriam conteúdos de cambalhotas, bananeira, palmateios, pernada de tesoura, eggbeatter etc. Ademais, a pernada eggbeatter mostrou-se importante na prevenção de afogamentos1

Para pesquisadores da França, Nova Zelândia e Austrália, a pernada para sustentar o corpo na vertical (eggbeatter) é um conteúdo importante que pode ser trabalhado como uma habilidade de sobrevivência em muitos incidentes de afogamento, sobretudo porque esse comportamento permite que o indivíduo imerso mantenha a cabeça acima da água, o que evita a inspiração da água, permite que ele inspecione o ambiente e tome uma decisão sobre esperar pelo resgate ou nadar em segurança2.

Além dos alunos da natação, os jogadores de pólo aquático também podem se beneficiar com as técnicas de nado da natação artística como, por exemplo, irão perceber a melhora do palmateio. Na natação artística, é comum a utilização de palmateios para deslocamento horizontal e vertical, além de sustentação e movimentos explosivos. Assim, é necessário dar ênfase na correção da técnica de palmateios, o que vai, por consequência, acabar auxiliando a melhora técnica da braçada dos nados. 

Os movimentos das mãos usados ​​para impulsionar o corpo na natação artística são feitos com palmateio estacionário, que é realizado segurando os braços contra os lados do corpo com os antebraços e as mãos posicionados em ângulos de 90 graus em relação ao corpo. Os antebraços são então movidos para frente e para trás, mantendo ângulos retos com o corpo, a pressão resultante contra as mãos permite que os nadadores mantenham suas pernas acima da água. Os atletas precisam manter o palmateio por longos períodos, exigindo alta resistência muscular3.

Movimentos do nado artístico

Desde 2015, o nado artístico teve a inserção dos homens na modalidade aquática. Essa mudança pode ajudar a incluir alunos de natação (meninos) nas vivências de natação artística sem que haja o preconceito de ser uma atividade exclusiva para meninas.

Segundo as regras da Confederação Brasileira de Desportos Aquáticos (CBDA)4, no nado artístico existem algumas posições básicas. A seguir, serão exemplificadas quatro posições básicas citadas nas regras oficiais do nado artístico que o professor de natação pode inserir em suas aulas em forma de oficinas para eles vivenciarem a modalidade:

Posição de costas

Corpo em total extensão com o rosto, peito, coxas e pés na superfície. Cabeça (especificamente orelhas), quadris e tornozelos em linha.

Posição de frente

Corpo em total extensão com cabeça, parte superior das costas, glúteos e calcanhares na superfície. A menos que especificado de outra forma, o rosto pode estar dentro ou fora da água. 

Posição de cancã

  1. a) Na superfície – Corpo na Posição de Costas. Uma perna estendida perpendicular à superfície.
  2. b) Submerso – Cabeça, tronco e perna horizontal paralelos à superfície. Uma perna perpendicular à superfície com o nível da água mantido entre o joelho e o tornozelo.

Posição de Flamingo

a) Na superfície – Uma perna estendida perpendicular à superfície. A outra perna é trazida em direção ao peito, com o meio da panturrilha na perna vertical e com perna, joelho e pé paralelos à superfície. Rosto na superfície.

b) Submerso – O tronco, cabeça e canela da perna flexionada paralelos à superfície. Ângulo de 90° entre o tronco e a perna estendida. Nível da água deve ser estabelecido entre joelho e tornozelo da perna estendida.

Em todas as posições básicas:

  1. a posição dos braços é opcional;
  2. os pés têm que estar em ponta;
  3. as pernas, tronco e pescoço (nuca) devem estar totalmente estendidos, se não houver especificação em contrário;
  4. os diagramas mostram os níveis habituais da água.

Atenção!

  • Se você é aluno de natação, solicite ao seu professor para ele te ensinar alguns movimentos do nado artístico.
  • Se você é professor de natação, coloque no seu planejamento anual uma oficina de nado artístico e ofereça aos seus alunos uma vivência desta modalidade aquática.
  • Se você é o gestor da academia, traga um grupo de alunos que praticam nado artístico para se apresentar e fazer uma exibição na sua academia. Verifique se existe demanda para essa modalidade.

Referências bibliográficas

  • Vasconcellos, Marcelo Barros. Natação + Segura. Revista Empresário Fitness & Health. Edição 87. Março de 2020.
  • Schnitzler C, Button C, Croft JL, Seifert Ludovic. A New Qualitative Typology to Classify Treading Water Movement Patterns. Journal of Sports Science and Medicine. 2015; 14(3):530-35.
  • Dall’Acqua F,  Cristina-Souza G,  Santos-Mariano AC,  Bertuzzi R,  Rodacki C,  Lima-Silva AE. Caffeine ingestion improves specific artistic swimming tasks. Braz J Med Biol Res.v.54(4):2021.
  • Regras oficiais nado artístico (anteriormente chamado de “Nado Sincronizado”). Regras Oficiais de Nado Artístico 2017 – 2021.
Print Friendly, PDF & Email
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email

Leia outros artigos

O que achou desse artigo?

Publicidade

REF&H
Enviar